1 / 51
2 / 51
3 / 51
4 / 51
5 / 51
6 / 51
7 / 51
8 / 51
9 / 51
10 / 51
11 / 51
12 / 51
13 / 51
14 / 51
15 / 51
16 / 51
17 / 51
18 / 51
19 / 51
20 / 51
21 / 51
22 / 51
23 / 51
24 / 51
25 / 51
26 / 51
27 / 51
28 / 51
29 / 51
30 / 51
31 / 51
32 / 51
33 / 51
34 / 51
35 / 51
36 / 51
37 / 51
38 / 51
39 / 51
40 / 51
41 / 51
42 / 51
43 / 51
44 / 51
45 / 51
46 / 51
47 / 51
48 / 51
49 / 51
50 / 51
51/ 51

Os primeiros acordes...
Nivaldo Ornelas e sua flauta
A televisão registra o evento.
Alvoroço em meu coração...
Num domingo qualquer, qualquer hora...
Sei que nada será como antes, amanhã...
Que notícias me dão dos amigos...
Que notícias me dão de você...
Sei que nada será como está...
Amanhã ou depois de amanhã...
Luiz Alves e seu baixo em Nada Será Como Antes
Nivaldo Ornelas
Bituca em Nada Será Como Antes
Toninho Horta e sua guitarra em Nada Será Como Antes.
Anfiteatro da USP visto do alto.
Eu tenho estes peixes e vou de coração...
Eu tenho estas matas e dou de coração...
E eu apenas sou um a mais, a falar desta dor ...
Visão da plateia no espetáculo na USP.
Plateia ouve com atenção a música Milagre dos Peixes.
Paulo Moura rege Outubro.
Orquestra executa Outubro.
Tanta gente no meu mundo...
Ah! jogar o meu braço no mundo...
Mas eu sempre vou só...
Plateia na USP
Outra imagem da plateia do show na USP.
Plateia na Concha Acústica.
Minha história está contada...
Robertinho em Outubro.
Paulo Moura conclui regência de Outubro.
Final do show ao ar livre.
As milhares de pessoas que se reuniram no Anfitetro da USP,
para assistir à apresentação de Milton Nascimento e do Som Imaginário,
proporcionaram um encontro
dos sonhos e esperanças
de toda esta geração.
Milton,
Káritas
e Alaíde Costa, ao fundo, se dirigem ao ônibus,
no qual deixarão o local.
Na época, os artistas famosos
não tinham seguranças
e podiam ser abraçados sem restrições.
Acabou!
Dedicatória
Agostinho dos Santos
 Leila Diniz
E a muitos outros...
...que a mão de 'Deus' levou.
Os maus tempos passaram, foram os melhores anos de nossa vida.