11 de dezembro de 201

 

(Pré) Salve-se Quem Puder

             II. A direita inquieta

 

O recente discurso de um notório deputado fascista do Estado do Rio de Janeiro ‒ conhecido pelas suas posições racistas e em defesa do estupro e da tortura ‒ não deve ser visto apenas sob o ângulo do abjeto teor de ofensa à dignidade física e moral da deputada Maria do Rosário.

Após condenar o comparecimento de Dilma Rousseff à reunião do que considerou ser "a escória da América do Sul", o deputado fascista demonstrou estar muito bem informado sobre o que aconteceu no encontro.

Suas observações revelam que exprimiu a posição de interesses muito poderosos que não parecem satisfeitos com as decisões que estão sendo tomadas na União de Nações Sul-Americanas (UNASUL). Sua condenação da abertura do espaço aéreo aos países membros do grupo expressa a posição dos Estados Unidos, a quem a medida não agrada, porque favoreceria um maior controle pelos países da América Latina das atividades de espionagem exercidas pelos ianques, especialmente por meio de seus aviões não tripulados.

Por sua vez, a criação de uma escola de defesa a ser estabelecida pelos países membros da organização ‒ que se destinaria segundo o gorila à propagar "o ideário esquerdista" ‒ deve certamente se contrapor à celebremente sinistra Escola das Américas, anteriormente sediada no Panamá e hoje instalada na Florida, que ficou conhecida como a verdadeira fábrica dos golpes militares que por tanto tempo infestaram a América Latina.

Naturalmente, o espectro ameaçador de Cuba ‒ velho panfleto sempre vociferado pela direita nativa com o propósito de assustar a classe média mais reacionária da região ‒ não poderia deixar de ser levantado pelo fascista, embora o país do Caribe não faça parte do organismo e não tenha, portanto, sequer comparecido à reunião.

No entanto, refugiados do Haiti - onde os Estados Unidos já patrocinaram sórdidos golpes de estado ‒ e  cidadãos iranianos infiltrados no Brasil também foram mencionados, sem esquecer a referência a Guantanamo, território cubano onde os patrões do deputado fascista instalaram uma base militar em que se pratica abertamente todo o tipo de tortura.

Ao final, depois de uma pregação falsamente moralista contra a corrupção, o parlamentar revelou um dos temores que o atormenta quando criticou uma possível taxação das grandes fortunas que estaria sendo preparada pela presidente reeleita.

O episódio é mais um indicador do estado de inquietude da extrema-direita do país, derrotada nas recentes eleições presidenciais após acreditar que venceria o pleito.

A divulgação do relatório da Comissão da Verdade com revelações sobre incontáveis crimes cometidos pelos órgãos de repressão com a colaboração explícita dos meios de comunicação do país como a Folha de S. Paulo, entre outros, abre caminho para novos julgamentos que podem levar à condenação dos criminosos, o que assusta a velha direita que há muito tempo subjuga a população do Brasil.

Por outro lado, a tentativa de impugnar a posse da presidente com o argumento de uma rejeição das suas contas parece ter caído por terra com a própria desmoralização dos acusadores.

A História mostra que o sistema de poder ‒ que por sua natureza é intrinsecamente autoritário ‒ procura a princípio conquistar os corações e mentes daqueles que domina. Quando não o consegue, recorre a ações que podem chegar às formas  mais agudas de truculência. 

Derrotados em todos os quadrantes nas eleições do subcontinente americano, os fascistas da região poderão recorrer a ações muito violentas que tendem a caminhar de atos planejados de terrorismo em locais de grande afluência da população ‒ como ocorreu recentemente com os atentados do metrô de Santiago, no Chile ‒ a assassinatos de figuras públicas de grande preeminência.

 

Sérvulo Siqueira